Últimas

A performance de Katy Perry no Super Bowl 2015: Do Sacrifício de Fogo ao Super Estrelato


Quando fiquei sabendo que Katy Perry seria a atração do show do intervalo do Super Bowl neste ano, já imaginei que a temática estaria em linha com as performances simbólicas de Madonna e Beyoncé dos anos anteriores, visto que Katy tem sido, nos últimos tempos, uma das artistas mainstream que mais abraçou a agenda da Elite oculta (veja a apresentação de Katy Perry no Grammy 2014 aqui). E eu estava certo. Embora as coisas não estivessem tão explícitas como em outras apresentações musicais do gênero, o show de Katy Perry no Super Bowl 2015, com a participação de Lenny Kravitz e Missy Elliott, trouxe dessa vez um tema subjacente que é frequentemente abordado em vídeos de música: o "sacrifício" que o artista precisa fazer para conseguir sucesso na indústria. Esse tipo de sacrifício, que é geralmente simbolizado por "sangue" ou "fogo" em vídeos de música, pôde ser perfeitamente identificado durante o show de Katy Perry no domingo. Enquanto alguns gastaram tempo comparando o show de Katy Perry com os de Beyonce e Madonna dos anos anteriores, ou criticando a parte "colorida e infantil" do show, o enredo da performance contou uma história oculta: o sacrifício pela fama, a venda da alma para o super estrelato na indústria da música.


Após a apresentação no Super Bowl na noite do último domingo, Katy Perry decidiu fazer uma pequena tatuagem no dedo (ou será que foi a mão oculta por trás desses artistas que decidiu isso por ela?). Lenny Kravitz também tatuou seu dedo horas depois do show. Até aí, tudo bem. O que verdadeiramente me espantou foi o que a cantora escreveu na legenda da foto:



Ao postar uma foto da nova tatuagem no dedo, ela escreveu "Eu acho
que seria apropriado derramar sangue hoje à noite". Além disso, ela colocou
no final da frase um emoticon de "chama". Sangue e fogo = sacrifício?
Por que Katy Perry disse que seria apropriado derramar sangue? Qual é a relação entre uma apresentação musical pop no show do intervalo do Super Bowl com derramamento de sangue...e fogo? Ela disse isso porque provavelmente sabe que para qualquer sacrifício é preciso ter derramamento de sangue, e se você já estiver familiarizado com o simbolismo oculto da Elite que controla a indústria da música, você com certeza sabe que sangue e fogo são dois elementos importantes no sacrifício ritualístico. Lembre-se que o fogo era também importante para os sacrifícios do Antigo Testamento, tendo sido aceso originalmente pelo próprio Deus, de acordo com Levítico 9:24. Então Katy Perry fez a tatuagem porque precisava derramar seu sangue para completar o sacrifício? Lenny Kravitz também?

No contexto do show, a frase que Katy Perry postou após fazer a nova tatuagem ganha uma conotação muito mais profunda. A performance de Katy Perry no Super Bowl 2015 simboliza, embora de forma sutil, a sua ascensão ao estrelato: o sacrifício que os artistas têm que fazer para conseguir chegar ao topo, e o seu status atual de "estrela e deusa" da indústria da música pop. Vamos dar uma olhada nas partes mais importantes do show.

A Entrada Triunfal da Deusa Ishtar

Katy Perry abriu o show do intervalo do Super Bowl 2015 surgindo em cima de um leão gigante dourado, metálico e de olhos vermelhos assustadores. Enquanto para alguns, o leão é apenas uma alusão ao seu single "Roar", de 2013, ele está associado a várias figuras divinas femininas, especialmente a Ishtar, a parte feminina da trindade babilônica "Semíramis, Nimrod e Tamuz", e uma figura importante dentro do conhecimento oculto do misticismo cabalístico (pois este sempre bebeu dos resquícios da religião da Babilônia).

Ishtar retratada em pé em cima de um leão.

Na cultura egípcia, também vemos Isis 
retratada em pé em cima de um leão.
A "entrada triunfal" de Katy Perry no Super Bowl foi elaborada para simbolizar a mesma antiga deusa babilônica, em pé em cima de um leão, e representar o status atual de Katy Perry na indústria da música: uma "deusa" sendo aplaudida por milhares de espectadores no estádio e por outros milhões de fãs ansiosos em casa.


Note que Katy Perry também está em pé. Além disso, o leão representa força, 

braveza e poder e, ainda, este leão em específico é dourado e formado por vários
triângulos. Será que ele representa a Elite oculta conduzindo a artista para o
Super Bowl? Será que é uma forma subliminar de dizer que você não conseguirá
ser a estrela do Super Bowl se não for carregado pelo leão (Elite)?

Ishtar/Isis/Vênus/Afrodite são frequentemente referidas em filmes e vídeos de música. Ishtar também foi referida na apresentação de Madonna no Super Bowl 2012. Por que essas artistas adoram pagar tributo a essa deusa antiga? Porque, como uma figura materna, Ishtar era considerada a mãe dos deuses e humanos. As pessoas adoravam Ishtar como a deusa do amor, da sexualidade e da fertilidade e, por esse motivo, Ishtar tinha alguns rituais de caráter sexual (ou orgias). Tendo em vista essas características, não fica difícil entender porque essa deusa é usada como uma grande referência para essas artistas, pois é assim que elas são retratadas pela indústria da música: "deusas mães", vestidas geralmente como "prostitutas", que vendem a sexualização excessiva e arrebanham uma grande quantidade de pessoas para participarem de seus "rituais sexuais".



Enquanto promove a sexualização, uma das principais agendas da Elite, Katy
Perry canta seu hit "Beijei uma garota e gostei disso". Assim ela vende um
pouco de cada coisa. Ela é a nossa Ishtar moderna.

O Ritual de Fogo

Se o show de Katy Perry no Super Bowl foi projetado para simbolizar um ritual de sacrifício deve ter havido derramamento de sangue ou pelo menos fogo. Há um detalhe extremamente importante, mas que não foi muito comentado pelos críticos: por que seu corpo está "em chamas"? Sim, a roupa que ela usou na primeira parte do show estava simbolizando o fogo sobre o seu corpo, e isso não foi uma escolha aleatória dos produtores do show. Essa escolha tem um significado simbólico. Ela foi cuidadosamente elaborada para se parecer com chamas consumindo o seu corpo para simbolizar o seu sacrifício. Outro detalhe: ela está com uma roupa dourada por baixo, a cor da iluminação obtida por meio do processo alquímico.

"Em chamas", Katy Perry inicia sua apresentação. 


O fogo tem vários significados, entre eles, a purificação
para um novo nascimento e a iluminação espiritual.


[...] Rituais muitas vezes envolvem uma chama eterna, e acender um fogo é equiparado com o nascimento e a ressurreição. Pode ser iluminação espiritual, sexualidade - "ilumine meu fogo" e fertilidade.

O fogo também pode ser visto como uma força de purificação (Cooper, 1978). Em um contexto mais moderno, os incêndios florestais, enquanto encarado como destrutivos e custosos pela sociedade moderna (e, especialmente, pelos diversos meios de comunicação social), são, na verdade, de um ponto de vista bastante positivos como um modo de purificação científico e ecológico - o crescimento antigo que é queimado abre caminho para um novo crescimento começar, e todo o ecossistema é rejuvenescido.

Fonte

Não é a primeira vez que vemos esse tipo de referência no trabalho de Katy Perry. O vídeo sobre iniciação oculta "Unconditionally", de 2013 (veja a análise aqui), também retrata a artista sendo consumida viva por chamas - uma forma esotérica de simbolizar seu sacrifício para o sucesso e fama na indústria da música, um ritual de purificação para o nascimento de uma nova persona e o processo alquímico para obter iluminação.


No vídeo "Unconditionally", Katy Perry também está em chamas. Note
que ela veste uma roupa com tom dourado, assim como no Super Bowl. O
vídeo é sobre sua iniciação e sacrifício na indústria oculta.


Durante o dueto de Katy Perry e Lenny Kravitz não faltou 
fogo para simbolizar o aspecto ritualístico da apresentação.

Assim como a maior parte dos rituais ocultos, o piso quadriculado maçônico, que é uma espécie de superfície cerimonial para esse tipo de sacrifício, esteve presente e ainda ganhou uma evolução: foi apresentado em 3D.


O palco foi feito para representar o piso quadriculado sobre o qual sacrifícios de
sangue são realizados, mas de longe parecia também um olho gigante. Por que será?

O Super Estrelato

O show de Katy Perry no Super Bowl 2015 também contou com elementos que muito consideraram infantis para a apresentação: coqueiros com rosto, pranchas com pernas, bolas com carinhas, dois tubarões azuis e meninas de biquínis coloridos dançando. Esse cenário foi na verdade elaborado para remeter à eraCalifornia Gurls (assista à análise aqui) e Teenage Dream de 2010; uma era em que Katy Perry voltou à indústria da música e surpreendeu a todos com um novo lançamento e um novo lado...um mais "colorido". Ela estava apresentando um novo estilo? Não, o "lado colorido" é uma forma de apelar a sua música e imagem para o público infantil também.


O "colorido" é uma forma de atrair as crianças e pré-adolescentes
e promover a sexualização para eles também. Olha que ideia legal!

Após sobrevivermos à apresentação com Missy Elliott, vemos Katy Perry no centro do palco preparada para cantar sua última música.


Katy pendurada em uma estrutura que simula uma estrela cadente,
voando pelo estádio enquanto canta "Fireworks". Essa parte do show foi
montada para dizer que agora ela é uma estrela. Valeu o sacrifício?

Um detalhe curioso: em um determinado momento, enquanto Katy Perry ainda estava no alto, voando pelo estádio cantando, os fogos da estrela cadente em que ela estava cessaram. Será que não foi possível fazer os fogos se estender até o fim da música, ou aquilo foi propositalmente cronometrado para dizer que, assim como a estrela cadente teve uma vida útil curta, Katy Perry também perderá seu brilho cedo? Será que foi por isso também que escolheram uma estrela cadente? Parece que é assim que a indústria da música funciona: algumas estrelas precisam morrer para que novas comecem a brilhar.

Em um momento no final do show, vemos o
estádio vermelho, a cor do sangue e do sacrifício.

Conclusão


A tão aguardada performance de Katy Perry no Super Bowl 2015 foi simples, não houve muito simbolismo escondido como os de Beyonce e Madonna dos anos anteriores. Porém, ela continuou promovendo a mesma agenda que as demais. Katy Perry entrou como uma deusa babilônica e terminou como uma estrela, quase que literalmente. A performance foi elaborada para simbolizar seu sacrifício pela fama e sucesso na indústria e, para isso, trouxeram elementos ritualísticos como o piso maçônico e fogo...muito fogo. No final do show, ela disse em sua rede social que seria apropriado derramar sangue naquela noite, ou seja, o sacrifício precisava ser consumado. Para muitos isso pode parecer loucura, mas é dessa forma que o mundo ocultista funciona. Eles adoram esconder simbolismo bem na nossa cara e têm feito isso por muitos anos que às vezes me faz pensar: até quando ficaremos aqui produzindo análises como esta? Como poderá existir algo mais óbvio do que isso? Até quando as pessoas ficarão na frente de suas TVs ansiosas e hipnotizadas por um show de música pop de cerca de 12 minutos? Até quando as pessoas irão aplaudir toda a sujeira que a Elite oculta têm empurrado goela a baixo para os adolescentes? Está na hora de a humanidade passar umas boas horas olhando para o espelho...antes que mais "sangue" precise ser derramado.

Via: http://danizudo.blogspot.com.br/

Nenhum comentário