“Sucesso” do Estado islâmico está ligado a profecias do apocalipse - Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar

Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar

Últimas

“Sucesso” do Estado islâmico está ligado a profecias do apocalipse



Estudiosos do islamismo afirmam que o “sucesso” do Estado Islâmico (EI) não está no uso que fazem das mídias sociais nem seus vídeos chocantes. Contando com uma rede de voluntários e simpatizantes que se espalha por boa parte do mundo, o grupo terrorista liderado por Abu Bakr al-Baghdadi acredita que está vivendo o cumprimento de profecias do Apocalipse.

Semelhantemente a teologia cristã, o islamismo também possui uma versão sobre o final do mundo. Esse é o motivo pelo qual o EI conquistou a cidade síria de Dabiq e batizou com esse nome sua revista eletrônica.

Os líderes do Estado Islâmico, que já conquistaram partes da Síria e do Iraque, insistem que estão se preparando para a “batalha final” entre o bem e o mal, que contará inclusive com Jesus Cristo voltando a Terra para se juntar a sua causa.

Analistas dizem que os ensinamentos originais da Al Qaeda comandada por Osama bin Laden também usava esse argumento, mas não com a mesma intensidade. A questão é tão séria que tem influenciado serviços de inteligência norte-americanos e europeus.

Em alguns de seus discursos, al-Baghdadi tenta convencer seus seguidores que o apocalipse já começou e eles são os guerreiros de Alá – termo árabe para Deus. Sendo assim, fica mais fácil entender por que tantos soldados tem se disposto a morrer nessa jihad – guerra santa.

William McCants, do Centro Brookings para Política do Oriente Médio, afirma que “o próprio estabelecimento do Estado islâmico é baseado em sua interpretação de quando o fim dos tempos iria ocorrer”. Atualmente, ele escreve um livro sobre a obsessão do EI com tais profecias.

McCants explica que as previsões apocalípticas não vêm do Alcorão, mas da literatura religiosa conhecida como o Hadith, uma compilação de ensinamentos atribuídos ao profeta Maomé por seus seguidores mais de cem anos após sua morte.

A volta da decapitação como forma de punição dos inimigos e a inauguração de um califado é apenas alguns dos vários acontecimentos que o Hadith aponta como início do fim do mundo. A ideia é que o Islã estaria se fortalecendo ao retomar as práticas dos tempos de sua fundação por Maomé. Também ensina que o Apocalipse será anunciado pela guerra em Damasco, capital da Síria, de um “anticristo”, chamado pelo Islã de ad-Dajjal.

As profecias afirmam que esse ad-Dajjal governará num momento em que a homossexualidade e a imoralidade se tornarem regra no mundo. Ele irá dividir os muçulmanos em uma grande guerra até que ser derrotado após o surgimento de uma figura messiânica chamada de “Madhi”. Esse poderoso guerreiro se levantará na Arábia Saudita, na cidade sagrada de Meca, onde reunirá seu exército. Receberá então o apoio de Jesus Cristo que, segundo o Hadith, aparecerá “em algum momento durante o final dos dias”.

William McCants afirma que os muçulmanos que estarão ao lado do Madhi vencerão uma “grande batalha” contra os que foram enganados por ad-Dajjal. Passará então a governar o mundo até o grande dia do julgamento, previsto para ocorrer depois da “batalha final”, que terá lugar na cidade síria de Dabiq.

Assim como as profecias judaico-cristãs do Apocalipse, as palavras da Hadith estão sujeitas a interpretações diferentes. Por isso, os radicais muçulmanos xiitas, atualmente combatem o exército de al-Baghdadi. Para McCants, tudo depende da convicção de quem “está lutando do lado do bem e quem está lutando do lado do mal.”

Ferramenta de recrutamento

De acordo com Jean-Pierre Filiu, especialista em previsões apocalípticas do Islã, “É óbvio que o momento apocalíptico é a chave para atrair voluntários prontos para lutar na Última Batalha”. Autor do livro “Apocalipse no Islã” (2008), Filiu reitera que a forma como o Estado Islâmico atrai tantas pessoas para combater na Síria e no Iraque mostra que existe uma convicção que está “será uma guerra muito mais importante e gratificante que todas as outras travadas durante a história islâmica.”

Os estudiosos acreditam que hoje em dia seja difícil encontrar um jihadista sunita ou xiita que não esteja “obcecado” com o cenário apocalíptico. Afinal, os dois grupos tem sua própria expectativa de figura messiânica que surgirá nos últimos dias.

Em entrevista à agência Reuters, um libanês xiita de 27 anos que combate na Síria, mostra essa convicção. “Mesmo que eu seja martirizado agora, quando ele [o Mahdi] aparecer, serei ressuscitado para lutar contra o exército inimigo”.

Do lado sunita, um soldado afirmou que os jihadistas estão se multiplicando em lugares tão distantes quanto Rússia, China e Estados Unidos, porque “foi isso que o Profeta disse e prometeu. A grande batalha já está acontecendo.” Com informações Washington Times

Via: http://noticias.gospelprime.com.br/estado-islamico-profecias-apocalipse/
Por Jarbas Aragão

Nenhum comentário