Últimas

Facebook e Twitter são acusados por muçulmanos na Inglaterra de permitir ‘islamofobia’ dos usuários

Presidente do Conselho Central Islâmico da Suíça (ICCS em inglês), Nicolas Blancho, discursa durante um protesto contra a "islamofobia e o racismo", organizado pelo ICCS em 29 de Outubro de 2011, em Berna, Suíça (FABRICE Coffrini/AFP/Getty Images)

Você está chocado e horrorizado vendo degolações, torturas e matanças de cristãos por parte do ISIS e outros grupos islâmicos? Você não está só. Grupos islâmicos nas nações ocidentais, principalmente na Inglaterra, também estão ‘chocados’ e horrorizados’ — com os comentários anti-muçulmanos de usuários que estão chocados e horrorizados com a violência islâmica!

De acordo com o jornal inglês DailyMail, grupos muçulmanos na Inglaterra estão registrando discursos anti-islâmicos online e denunciando tudo para o Twitter e Facebook.

Segundo a reportagem, eles estão trazendo muitas mensagens anti-muçulmanas à atenção das empresas de mídia social.

Fiyaz Mughal, diretor de Faith Matters (A Fé é Importante), que dirige um disque-ajuda chamado Tell MAMA, para vítimas de ‘violência’ anti-muçulmana, disse que estava desapontado que os sites não estavam adotando uma postura mais forte.

Ele disse: “É moralmente inaceitável que plataformas de mídia social como Facebook e Twitter, que são empresas que fazem vastos lucros, façam uma engenharia social do que é certo e errado dizer em nossa sociedade quando pessoas expressam opiniões inflamatórias, muito divisivas socialmente e claramente preconceituosas.”

Mughal disse que Tell MAMA regularmente recebe de usuários muçulmanos do Facebook e Twitter denúncias de linguagem e ‘ódio’ anti-muçulmano.

Para os muçulmanos, qualquer comentário anti-muçulmanos é ‘violência.’

Numa declaração o Facebook disse: “Levamos muito a sério o discurso de ódio e removemos todo conteúdo que nos é denunciado que ataca diretamente os outros com base em sua raça, etnia, origem nacional, religião, sexo, gênero, orientação sexual…”

O Facebook disse que está trabalhando com Faith Matters para encontrar uma solução contra os posts anti-muçulmanos de seus usuários.

A reportagem do DailyMail usou os exemplos mais grosseiros de opiniões anti-islâmicas para justificar censura. Mas mesmo quando não há linguagem anti-islâmica grosseira, o Facebook censura. Alguns usuários cristãos do Facebook que têm postado vídeos do Youtube de cristãos sendo degolados por muçulmanos, apenas para atrair a atenção para a horrível situação difícil deles, sofreram o bloqueio de suas contas por vários dias. Seus posts “anti-muçulmanos,” que não incluíam nenhum palavrão ou violência anti-islâmica, foram removidos.

Na Inglaterra, a loucura pró-islâmica está fora de controle. Tem havido uma onda de estupros islâmicos contra meninas e jovens inglesas étnicas, mas o povo inglês, que foi corajoso ao proteger sua terra dos inimigos nazistas décadas atrás, hoje entrega suas filhas para estupradores islâmicos. Eles têm mais medo de serem acusados de ‘racismo’ do que de verem suas filhas desprotegidas de estupradores islâmicos.

Se Obama, Bush e Clinton estão certos em suas frequentes mensagens e propaganda de que o islamismo é uma “religião de paz,”então os muitos vídeos do Youtube do ISIS degolando cristãos não são o que vemos. Podem ser cristãos degolando muçulmanos! Nesse caso, os muçulmanos na Inglaterra estão certos de denunciar o discurso anti-muçulmano.

Nesse caso, o Facebook e o Twitter estariam certos de remover todo discurso contra a propaganda do islamismo como uma “religião de paz.”

Entretanto, a realidade não está seguindo as mensagens de Obama, Bush, Clinton e dos propagandistas islâmicos no Ocidente.

O islamismo é a principal causa de opressão, perseguição e martírio de cristãos no mundo inteiro. No entanto, essa pobre gente é obrigada a morrer sem se queixar em terras muçulmanas. E nós em terras ocidentais não temos nenhum direito de nos queixar sobre os muçulmanos que estão trazendo sofrimento para eles.

A censura anticristã é abundante em terras muçulmanas, e o Ocidente quer imitá-las.
A propósito, se os muçulmanos no Ocidente conseguirem o que querem, cedo ou tarde este artigo será rotulado de ‘racista’ ou ‘ódio’ anti-muçulmano.

Com informações do DailyMail.

2 comentários

Alexandre T disse...

Agora esses fanáticos vão querer MATAR o dono do Facebook, do Twitter, como acabaram de matar, num atentado em Paris, funcionários da revista que OUSOU fazer charge sobre Maomé...... A França permitiu tanta islamização de sua sociedade, tanta entrada de islâmicos, que agora é muito fácil aparecer, como nesse ataque, fanáticos islâmicos dando tiros pra todo lado, fuzilando franceses...

Osvaldo Aires Bade disse...

Fui bloqueado por apenas compartilhar um vídeo com vários decolamento.
Por que a informação é proibida?