Últimas

Escola cristã é FECHADA por NÃO DEFENDER o ISLAMISMO



O Ministério da Educação no Reino Unido fechou uma escola cristã, acusando a equipe de não ensinar os alunos a serem mais tolerante com outras religiões.

O Instituto Britânico de Padrões da Educação (OFSTED, na sigla em inglês), elaborou um relatório onde mostra que a Escola Livre Durham ensina apenas crenças cristãs, em vez do “multiculturalismo”.

“Os líderes não estão preparando os alunos para a vida na Grã-Bretanha moderna. Alguns estudantes têm visões discriminatórias sobre as pessoas que têm crenças, valores e fé diferentes das suas”, afirma o relatório.

Para o governo britânico, a postura da escola de contratar apenas cristãos é errada. Tradicionalmente na Inglaterra, as escolas são ligadas a igrejas cristãs. Muitas têm enfrentado dificuldades por serem obrigadas a minimizar o ensino do cristianismo e ensinarem sobre o Islamismo, religião que mais cresce no país.

Os funcionários da escola contestaram o relatório, dizendo: “Há uma série de irregularidades na ação que o governo está tomando”. Dezenas de pais têm escrito para defender a escola, afirmando que ela faz uma grande diferença na vida de seus filhos. Lembram que seus filhos estão recebendo uma excelente educação.

A chamada “Lei de Igualdade” foi instituída em 2014 no Reino Unido, exigindo uma maior aceitação de homossexuais e transgêneros, bem como pessoas de outras religiões e raças. A Secretária Nacional de Educação Nicky Morgan defende que se trata de um plano para diminuir o radicalismo religioso na Inglaterra.

Desde o ano passado, as escolas inglesas não podem mais ensinar sobre o criacionismo e faz parte do currículo desde as primeiras séries “a promoção do respeito pelos direitos dos homossexuais”.

O relatório semestral do OFSTED implica no corte dos repasses que o governo faria, tornando financeiramente inviável a manutenção das escolas que não se adequem. Em linhas gerais, a recomendação contra a Escola Durham pode abrir um precedente perigoso, ameaçando todas as instituições de ensino que não seguirem as imposições do governo.

Alegando “visões discriminatórias” na visita que fizeram à escola no final do ano passado, os funcionários do OFSTED fizeram uma série de perguntas aos alunos e basearam sua avaliação nos resultados obtidos.

A direção da escola se defende, relatando que um dos inspetores perguntou a um menino de 12 anos de idade o que é um muçulmano. A resposta da criança fazia referências a atividades terroristas. Embora a escola garante que não ensina isso em sala de aula, o OFSTED acredita que era responsabilidade dos professores.

A Escola Cristã de Grindon Hall também foi reprovada pela OFSTED, mas por outro motivo. Segundo a direção, os inspetores questionam as crianças sobre os seus conhecimentos de outras religiões e também sobre sexualidade. No primeiro momento, a escola foi rotulada de “intolerante” e passará por uma análise mais aprofundada.

O diretor Chris Gray afirma que crianças com idade entre 6 a 9 foram questionadas sobre se eles sabiam o que os homossexuais faziam e se alguma delas acreditava ter nascido “no corpo errado”. Para Gray, a escola estava sendo preterida por que ensina sobre o cristianismo, enquanto a maioria das outras escolas da região já não o fazem.

Simon Calvert, do Instituto Cristão da Grã-Bretanha, saiu em defesa da Durham e da Grindon Hall. De acordo com a agência BBC, o OSFTED também criticou as escolas por estimularem o que chamou de “intimidação baseada em preconceito”, uma vez que os alunos usaram um tom negativo ao se referir a homossexuais e seguidores de outras religiões. Com informações Christian News

Um comentário

Piu G.A disse...

Por que devemos tolerar aqueles que desejam a nossa destruição? Não faz sentido algum.