Últimas

Após PT prever 30 mil pessoas, só 6.000 veem Dilma na praça dos Três Poderes. Mesmo pagando e distribuindo pão com margarina


Foto aérea feita pelo repórter Sérgio Lima mostra praça dos Três Poderes esvaziada
Após o PT ter dito que tentaria trazer cerca de 30 mil pessoas para assistir à posse da presidente Dilma Rousseff nesta quinta-feira (1º), uma fotografia panorâmica da praça dos Três Poderes no momento em que Dilma discursava no parlatório mostra que o plano petista não deu certo. O UOL fez uma contagem do número de pessoas presentes no local e constatou que não passavam de 6.000 os que estavam assistindo à presidente falar.

A contagem que o UOL fez tomou por base uma foto panorâmica produzida pelo repórter Sérgio Lima, da "Folha de S.Paulo", da praça dos Três Poderes. Dentro dos limites da praça havia cerca de 4.200 pessoas. Na área lateral a contagem não foi possível devido à copa das árvores, mas a reportagem do UOL estava presente e constatou que havia visivelmente menos da metade das pessoas nesse local em relação ao que havia na praça. Numa estimativa generosa, o público total do evento ficou em torno de 6.000 pessoas no momento do discurso no parlatório.

A Polícia Militar do Distrito Federal tem um cálculo diferente. Segundo a PM, cerca de 40 mil pessoas passaram pela Esplanada dos Ministérios. De acordo com a corporação, esse público foi reduzido a 20 mil pessoas na praça dos Três Poderes no final da tarde, durante o pronunciamento da presidente. Questionada pelo UOL sobre a discrepância dos números após a contagem, a PM não havia respondido até a publicação deste texto.

Como comparação, em 2003, a posse de Luiz Inácio Lula da Silva teve 71 mil pessoas presentes. Quatro anos depois, em janeiro de 2007, o público foi de 10 mil pessoas. E, em 2011, quando Dilma assumiu seu primeiro mandato, havia 30 mil pessoas na festa.

Para o líder do PT na Câmara, Vicentinho (PT-SP), a baixa adesão dos militantes à festa de posse de Dilma Rousseff se deu por uma conjunção de dois fatores: a data escolhida para a posse e a ampla cobertura da mídia.

"Eu defendo que posse no dia 1º não é uma coisa boa. Precisam mudar essa data. Quem vem de longe acaba passando o Réveillon na estrada. É muito amor, viu? Além disso, muita gente não veio para acompanhar a cerimônia em casa, pela TV, internet, rádio", disse o líder.



Veja também o vídeo:


Via: UOL

Nenhum comentário