Últimas

Após 2 anos de namoro, americana de 18 anos está NOIVA DO PRÓPRIO PAI

"AS PESSOAS PRECISAM PESQUISAR MAIS SOBRE INCESTO E GSA", DIZ GAROTA QUE SE PREPRARA PARA CASAR COM O PRÓPRIO PAI (Foto: Thinkstock)

Uma americana de 18 anos se relaciona amorosamente com o pai há dois anos e já planeja o casamento dos dois. A jovem, que não quis se identificar, deu entrevista à The New York Magazine e disse que assim que os dois se mudarem para um estado onde o incesto não dê prisão pretendem assumir a relação - que já é conhecida por algumas pessoas da família.

A jovem não conviveu com o pai, que hoje tem 37 anos, por vários anos, sendo criada pelos avós e pela mãe depois da separação do casal. Ela conta que teve breves contatos com o pai até os 5 anos de idade, mas a mãe brigava sempre com ele e as visitas acabaram parando. "Quando eu tinha uns 15 anos, ele escreveu para a minha mãe dizendo que gostaria de me ver. Eu disse que sentia falta dele e não me importaria em encontrá-lo. Ela me perguntou como eu poderia sentir saudades de alguém que eu mal conhecia, que eu não via há muito tempo. Mas a minha carência era de uma figura paterna", conta a jovem, que teve vários padrastos com quem não se identificava.

Aos 17 anos, ela voltou a encontrar o pai. Inicialmente, ele buscou contato com ela pelo Facebook. Na ocasião, ele disse que sempre tentava adicioná-la e recebia recusas. "Era a minha mãe controlando o meu perfil", diz. Os dois começaram a conversar pela internet e descobriram que eram parecidos e tinham vários gostos em comum. Se encontraram depois de uma semana e passaram um dia inteiro abraçados. "Descobrimos que somos muito parecidos", relembra.

A garota pediu para passar uma semana com o pai - ele morava na mesma cidade, próximo. Ela então foi para a casa dele, onde passou cinco dias. Na época, ele estava morando com uma namorada. "Na primeira noite, ele dormiu no sofá e eu no chão, só para ter a certeza de que estava tudo bem. Dormir em lugares diferentes me deixava ansiosa e eu pedi para que ele ficasse comigo, caso eu tivesse pesadelo durante a noite. Na segunda noite, ele dormiu no sofá novamente. E no terceiro dia, eu me vi dormindo com ele no chão, deitada em seu peito, nos braços. A quarta noite passamos no chão de novo. Desta vez, nós realmente nos abraçamos. Quando acordamos, estávamos de conchinha. Eu não soube disso na hora, mas depois que nos declaramos, ele confessou ter tido uma ereção".

Na noite seguinte, os dois ficaram mais próximos e admitiram que sentiam algo um pelo outro. "Discutimos se isso era certo e nos beijamos. Depois, fizemos amor pela primeira vez. Foi quando eu perdi a virgindade". "Há uma razão para eu ter perdido a virgindade com ele - eu nunca me senti confortável com outro homem. Foi incrivelmente sensual. Nós dois tivermos orgasmos", relatou. A jovem negou que o pai tenha forçado a situação e abusado dela. "Foi natural. Não foi um tabu. Senti como se estivesse fazendo amor com um homem com que eu estava junto há anos".

Filhos
Os dois começaram então um namoro - os pais dele, avós da jovem, sabem e apoiam. Agora, já planejam começar uma família, inclusive tendo filhos. Ela não acredita nos riscos de que os filhos dos dois teriam problemas. "Eu pesquisei sobre isso. Todo mundo pensa que as crianças nascidas em relações incestuosas, certamente, terão problemas genéticos, mas isso não é verdade. Isso acontece quando há anos de consanguinidade, como com a família real", explica.

Ela diz que mesmo namorando com o pai, às vezes precisa que ele a apoie como filha. "Quando eu preciso do meu pai, eu digo 'Ei, pai, preciso de você'. E nessa hora, ele não é meu noivo ou namorado, mas meu pai".

O plano dos dois, que já namoram há 2 anos, é se mudar para New Jersey. "O incesto entre adultos não é considerado ilegal por lá. E assim que estivermos lá, vou contar a todo mundo", diz. A mãe da jovem não sabe do namoro.

Aos 18 anos, ela diz não temer julgamentos. "Somos dois adultos que salvaram um ao outro (...) Quando você tem 18 anos, você sabe o que quer. Você é adulto diante da lei. Eu posso cuidar de mim mesma. Não preciso se proteção. Se eu estivesse em uma situação da qual eu tivesse que sair, eu sairia. Não tenho medo de me defender", afirma.

Via: http://www.correio24horas.com.br/

2 comentários

Priscila Sofia disse...

O que se pode constatar depois de ler algo assim?

Eu creio que Jesus está muito próximo de voltar. Essas coisas sempre existiram, mas a mídia já está trabalhando para a aceitação, não noticiaram isso com repúdio, e sim contaram a história como se fosse um casal normal. Tipo Sodoma e Gomorra.

Eu tenho NOJO, vontade de vomitar, pra ler tudo foi difícil.

Lillian disse...

Entropia moral: Quando o homem se afasta de Deus, e quer viver por ele mesmo, seu próprio Eu [egoísta, que é mau], cauteriza sua própria consciência [o que o espírito diz], e se acostuma com a imoralidade, indo a passos largos, com a ajuda de toda a mídia e sociedade, envergando a linha do que é “certo” e o que é “errado”... É por isso que o mundo está como está, cada vez mais negam a Deus.

"You know your country is dying when you have to make a distinction between what is moral and ethical, and what is legal." - John De Armond

Infelizmente já chegamos ao ponto em que já temos que fazer essa distinção