Últimas

Paraíso Comunista? Coreia do Norte executa e faz experimentos com deficientes, acusa desertor

Kim Jong-un e militares visitam instalações do exército norte-coreano Foto: KCNA via KNS / AFP
Mesmo com tantas histórias contraditórias sobre os direitos humanos na Coreia do Norte, ainda há aquelas que não deixam de surpreender. Segundo o desertor Ji Seong-ho, que perdeu a perna na adolescência e hoje escreve um livro sobre a situação dos deficientes físicos e mentais no país, o regime Kim faz uma "limpeza" deles, fazendo experimentos químicos e biológicos — e executando-os.

Segundo Ji, em entrevista ao "Telegraph", apenas quando ainda morava na Coreia do Norte, viu deficientes serem levados de suas famílias. Ele afirma que também ouviu de outros desertores que pessoas com nanismo eram levadas a uma localidade isolada na província de Ryanggang.

"O regime proclama que não há deficientes sob o governo dos Kim, e que 'todo mundo está vivendo bem e em igualdade. Enquanto esta propaganda acontece, crianças deficientes são levadas embora, sofrendo coisas indescritíveis e morrendo", disse.

Além da ONU, que já havia relatado receber episódios de experimentos médicos em pessoas com deficiências, a Aliança dos Cidadãos da Coreia do Norte pelos Direitos Humanos ressaltou as denúncias. Em um estudo, concluíram que 40% dos desertores afirmavam acreditar que crianças deficientes eram mortas ou abandonadas, e 43% disseram saber de locais isolados para onde eram mandadas.

De acordo com o "Telegraph", desertores afirmaram saber desde 1984 de um hospital onde pessoas com deficiências eram levadas para teste como dissecamento de membros e testes com armas biológicas e químicas.


"A Coreia do Norte diz respeitar deficientes e até levou atletas para os Jogos Paralímpicos, mas é tudo fachada. A realidade é horrível. Na escassez de alimentos da década de 90, os deficientes não recebiam rações de alimentos porque não eram produtivos para a sociedade. Algo como 80% deles morreu na época."

Ji perdeu a perna e a mão esquerda aos 14 anos, após ser atingido por um trem quando desmaiou em meio a uma extração de carvão. Ele teve os membros amputados sem anestesia.

Em 2000, ele foi preso no país após ter sido liberado para atravessar a fronteira e pedir comida. Decidiu escapar de vez em 2006, indo então para a Coreia do Sul e levando posteriormente a mãe e os irmãos a fugirem para Seul. O pai foi preso e morreu sob tortura.

Via: O Globo