Últimas

FEMA recruta 28 mil líderes evangélicos para formar 'Equipe de Resposta Religiosa' para a Lei Marcial


Muitos meios de comunicação independentes, aqueles comumente considerados como "conspiratórios", tem reportado aproximadamente 28.000 pastores protestantes foram recrutados nos EUA por agências governamentais, mais precisamente a FEMA (Agência Federal para o Gerenciamento de Emergências) e o DHS (Departamento de Segurança Nacional dos EUA), como parte de uma Equipe de Resposta Religiosa em situações de emergência.

Entre estes meios "conspiratórios" destaca-se o "The Common Sense Show", conduzido por Dave Hodges, que afirma ter contactado um destes pastores e obtido informação valiosa sobre as suas atividades.

Em 9 de dezembro de 2014, Hodges manteve uma entrevista por telefone com o pastor Walt Mainsfield, que foi um dos primeiro pastores recrutados para fazer parte da Equipe de Resposta Religiosa.

O pastor Mainsfield foi recrutado para fazer parte da Equipe de Resposta que operaria sob o controle do DHS no caso de ocorrerem situações de emergência.

As revelações de Mainsfield sobre as suas experiências são impressionantes e preocupantes ao mesmo tempo.


De acordo ele mesmo afirma, o pastor Mainsfield assistiu a várias reuniões de informação e mal podia acreditar no que ouvia. Ele aprendeu o plano do governo dos EUA de estabelecer a Lei Marcial em determinadas circunstâncias, assim como de por em prática a concentração forçada da população. Mansfield destacou que quando a Lei Marcial foi promulgada e sua aplicação seria imediata. Em outras palavras, os membros das famílias seriam separados uns dos outros e parte da missão da Equipe Religiosa consistiria em consolar e acalmar os familiares separados.

O pastor Mansfield disse que as simulações da FEMA e do DHS se baseiam na resposta a supostos atos de bioterrorismo.

Os pastores foram treinados para ir àquelas casas onde as pessoas se negaram a se mudarem pelas autoridades e seu trabalho imediato seria convencer os mais relutantes para que voluntariamente aceitassem a se mudar para os campos de concentração.



Posteriormente, Dave Hodges perguntou a Mansfield se os campos da FEMA (considerados como um hoax conspiratório) eram reais e o pastor declarou que grande parte da formação das Equipes de Resposta Religiosa se concentrava em saber como deveriam atuar os pastores dentro dos centros de concentração forçados.


Segundo Mansfield, o objetivo principal de um pastor designado a um campo de concentração seria ajudar a por ordem, tranquilizar os afetados e fomentar o cumprimento das ordens do Departamento de Segurança Nacional.

Em outras palavras: ajudar a acalmar o rebanho, um argumento que pelo jeito ele repetiu ao longo da entrevista.


Mansfield afirma que os pastores foram obrigados a assinar um documento em que se comprometessem a não divulgar esta informação. Supostamente, os pastores estão absolutamente proibidos de falar publicamente sobre qualquer aspecto do programa.

Para concluir, o pastor Mansfield também declarou que os pastores seriam utilizados como informantes. Isso violaria o privilégio de confidencialidade ou confissão entre o pastor e o religioso, algo que no EUA atualmente é reconhecido por lei.

Segundo Mansfield, estima-se que haja 28.000 pastores nos EUA que fazem parte do programa da FEMA.

De acordo ele, os pastores dos EUA estão sendo sutilmente coagidos a participar do programa, pois se for declarada algum tipo de emergência nos EUA, nenhum pastor que não tiver a permissão correspondente que confirme que havia sido formado pela FEMA ou pelo DHS, não terá permissão para entrar nas zonas declaradas de "emergência".


Suposta localização dos campos da FEMA, de acordo alguns meios de conspiratório


Muitas pessoas, muito provavelmente de forma correta, consideraria que tudo que se refere aos campos de concentração ou aos já conhecidos campos da FEMA , faz parte das teorias da conspiração mais exageradas ou enlouquecidas.

De qualquer forma, vale a pena repassar alguns aspectos legais dos EUA que servem para situar todo o contexto:

Em 31 de dezembro de 2011, o presidente Obama assinou a Lei de autorização de Defesa Nacional (NDAA) que, além de atribuir 662.000 milhões de dólares ao Pentágono, também contem uma medida que permite que os cidadãos americanos possam ser levados sob custódia e detidos indefinidamente sem serem acusados de nenhum crime.

Não apenas qualquer cidadão considerado uma ameaça aos 'interesses de segurança nacional dos EUA', poderá ser mantido preso sem julgamento, mas os militares serão os encarregados por deter essas pessoas.

A Seção da NDAA 1022, inciso c, permite: '(1) A detenção em virtude da lei de guerra sem julgamento até o final das hostilidades autorizadas pela Autorização do Uso da Força Militar".



A Registro dos Centros de Emergência Nacional ou HR 645, estabelece a criação do "centro de emergência nacional" em instalações militares com a finalidade de proporcionar 'alojamento temporário e ajuda médica e humanitária às pessoas e famílias deslocadas devido a uma emergência ou desastre', e acordo o projeto de lei.

A Legislação também estabelece que os campos seriam utilizados para 'proporcionar alojamento centralizado para melhorar a coordenação da preparação, resposta e recuperação do governo, entidades privadas e sem fins lucrativos e organizações baseadas na fé'.

O projeto de lei também estabelece que os campos podem ser utilizados para 'satisfazer outras necessidades apropriadas', segundo a determinação o Secretário de Segurança Nacional.

Este mandato poderia significar a detenção forçada de cidadãos americanos em caso de distúrbios generalizados após uma emergência nacional ou de um colapso econômico total.




Evidentemente, todas estas conclusões devem ser consideradas com prudência.

Como já nos referimos outras vezes, Dave Hodges exagera enormemente em muitas de suas conclusões e tem uma clara tendência ao sensacionalismo e a conspiração, tudo banhado com uma ideologia extremamente conservadora e ultrareligiosa.

De qualquer form, a notícia possui seu interesse e em todo caso, esperamos que o leitor seja capaz de aplicar seu próprio critério e não se deixar levar pelo sensacionalismo uma vez que é capaz de deixar espaço prudente para a dúvida à espera de dados que confirmem ou contradigam o que é ouvido.

Não sabemos o que está correto em tudo isto, mas o que não poemos negar é que muitos meios de comunicação alternativos dos EUA há anos falam dos campos da FEMA e de seu possível futuro em um cenário de Lei Marcial e como vemos, continuam insistindo nisso...


Fontes:
- El Robot Pescador: El Inquientante Cso de los Clérigos Fema
- The Common Sense Show: A Clergy Response Team Insider Reveals the Duties of a Pastor Inside of a FEMA Camp

Via: anovaordemmundial.com

3 comentários

Alexandre Guimaraes disse...

ta na cara que estao esperando uma catastrofe nuclear e quimica....

Diego Rodrigues disse...

Para que separar famílias em situações de emergência? Nesses casos, seria muito melhor até forçá-las a se manterem juntas, pois diminuiria o pânico.

Ronaldo La Falce disse...

A política e a religião sempre andaram lado à lado! É tudo da Babilônia!
Enquanto um amansa e acalma o outro explora e destrói!

A união das famílias criam resistências, portanto, encararemos isso como sequestros em massa legalizados pelo governo das sombras.