Últimas

Ataque à Sony: EUA responsabilizam Irã, China e Rússia - Globalistas fomentando um conflito



A Inteligência dos EUA diz que tem provas incontestáveis de que a Coreia do Norte não é a "única entidade" por trás do ataque malware a Sony Pictures.

Uma fonte disse à Fox News nesta sexta-feira que a sofisticação das regras de ataque fora da Coreia do Norte e, em vez disso implica a Rússia, a China e o Irã.

Especula-se os EUA podem responder ao ataque por se envolver em uma guerra econômica contra os países que fazem negócios com a Coreia do Norte.

"Mesmo as empresas chinesas que operam no país poderiam ser alvo, especialistas disseram que, apesar de sanções contra estas empresas podem resultar em consequências que derramam além da península coreana,"CNBC informou na quinta-feira.

"A opção mais difícil: Os Estados Unidos poderiam restringir o comércio em dólar da Coreia do Norte para atingir os bancos chineses que fazem negócios com Pyongyang - uma tática já usada contra o Irã e, menos abrangente, contra a Rússia após a sua incursão na região da Crimeia da Ucrânia", informa a CNN.

O ataque a Sony por um malware exageradamente é projetado para abrir uma nova frente na guerra contra a Rússia e China, ambos ameaças geoestratégicas considerados pela elite financeira. "A China de hoje, por causa de seu crescimento econômico dinâmico e sua determinação em prosseguir os interesses nacionais chineses soberanos, simplesmente porque a China existe, está se tornando 'imagem de inimigo', o Pentágono agora está substituindo a" imagem de novo inimigo 'falsa do Islã usado após o setembro de 2001 pela administração Bush-Cheney para justificar perseguição da potência mundial do Pentágono", escreve F. William Engdahl . "A nova postura militar dos EUA contra a China não tem nada a ver com qualquer ameaça agressiva do lado da China. O Pentágono decidiu escalar sua postura militar agressiva contra a China simplesmente porque a China tornou-se um pólo independente vibrante forte na economia mundial e na geopolítica."

Em 2009, o Pentágono organizou um jogo de guerra que incluiu participantes de Wall Street e o cartel bancário, além de membros da comunidade de inteligência. O evento, realizado no Ft. Meade, Maryland, concentrou-se em "cenários globais que poderiam alterar o equilíbrio de poder entre as principais economias do mundo," Politic relatou na época.

O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos também está envolvido e planejando a guerra econômica. "Os Estados Unidos tem construído uma bomba de nêutrons financeira", Ambrose Evans-Pritchard escreveu em abril. "A estratégia se baseia em controle hegemônico sobre o sistema bancário global, sustentada por uma rede de aliados e a aquiescência relutante de estados neutros. Vamos chamar este o Projeto Manhattan do início do século 21 ".

Rússia e China têm respondido à perspectiva de uma guerra económica através da formação de uma aliança de defesa estratégica.

"Seja ou não a liderança russa e chinesa equacionando as crescentes provocações de guerra com a desintegração financeira e económica da região trans-atlântica, é precisamente esse processo de degradação que está dirigindo o mundo rápido em direção a um conflito que poderá se transformar em uma guerra termonuclear de extermínio em massa", observou EIR em novembro passado.

Via: Infowars e http://undhorizontenews2.blogspot.com.br/

2 comentários

edson jesus disse...

OS EUA estao cavando sua propria sepultura.Vai se ferrar com a Rússia e a China.Será a melhor coisa desta decada.

Erick Matheus (-Boss.?) disse...

Vai nessa... Vai ter é uma Guerra Nuclear que não vai afetar só os EUA, e sim boa parte do planeta