Últimas

Islamização Mundial: Muçulmanos invadem Abadia de Westminster em Londres e Catedral de Washington (Vídeo)




Os próprios britânicos admitem: A Inglaterra está nas mãos do Islã.





Irmandade Muçulmana Invade Catedral Nacional em Washington

Há 100 anos, hoje, o último califa ou imperador do islamismo, declarou a última Jihad contra os infiéis – e hoje é a primeira vez que a Catedral Nacional, na capital do país vai sediar orações muçulmanas.

A maioria dos americanos não tem idéia de que, como parte da I Guerra Mundial, o então califa do Império Otomano declarou uma guerra santa contra os infiéis, como era seu direito dentro da lei sharia e da teologia islâmica. Você pode ler a fatwa completa aqui (ignore a data de 1915, o que é um erro de digitação original).

Esta afirmação do último califa do que era o império teocrático do Islã foi o catalisador que levou ao genocídio religiosamente alimentado contra os cristãos armênios e assírios.

Os líderes das igrejas episcopais que aceitaram as orações muçulmanas de acolhimento no interior da catedral de Washington provavelmente não tem idéia do que aconteceu há um século na Ásia Menor, ou mesmo que houvesse um califa no cargo no início do século 20.

No entanto, podemos ter a certeza de que os co-organizadores fazem, pois eles incluem o Conselho de Relações Islâmicas (CAIR), a Sociedade Islâmica da América do Norte (ISNA), o Conselho Muçulmano de Assuntos Públicos (MPAC) e os Centros All-Dulles da Sociedade da Área Muçulmana (ADAMS).

Ambos, CAIR e ISNA, estão plenamente conscientes do significado do 14 de novembro, visto que ambas as organizações foram declaradas por um tribunal federal para não serem incriminadas como co-conspiradores do Hamas, o grupo terrorista da Irmandade Muçulmana, no maior estudo sobre o financiamento do terrorismo na história dos EUA.

Aqueles muçulmanos que têm uma compreensão da supremacia de sua religião, como os membros da Al-Qaeda e a Irmandade Muçulmana – que foi recentemente declarada uma organização terrorista ilegal no país de sua fundação, o Egito – têm uma relação especial com datas históricas e aniversários.

É, naturalmente, não por acaso que os ataques de 11/9, o pior ataque terrorista da história mundial, ocorreu exatamente no dia em que no ano de 1683 as forças otomanas islâmicas foram derrotadas fora das muralhas da cidade de Viena, e é nesse dia em 2001 que as mais profundas forças do califado islâmico fizeram o ataque no coração do Ocidente cristão.

Não há nada de intrinsecamente errado sobre as iniciativas inter-religiosas, desde que elas comecem a partir do mesmo lugar: um respeito mútuo para o sistema de crenças uns dos outros, e de sua inerente dignidade como seres humanos criados por Deus. Quando um partido age de má-fé com base em seu compromisso ideológico para ver as outras crenças destruídas ou submetidas a uma outra, o evento corre o risco de tornar-se um golpe de propaganda para os extremistas e seus seguidores.

O fato de que este evento está ocorrendo em um momento em que antigas comunidades cristãs estão sendo destruídas no Oriente Médio e “não-crentes” estão sendo realmente crucificado pelos jihadistas do ISIS, torna o fato ainda mais flagrante.

Sabemos que a Igreja Episcopal está em apuros com muitos crentes conservadores deixando-a em grande número e os adeptos restantes não superam exatamente os seus primos católicos em termos de reproduzirem a próxima geração de crentes. Mas eu duvido que eles também compreendam os pontos mais delicados da doutrina jihadista, uma das quais é que, se um local de culto é usado pelos muçulmanos para suas orações, posteriormente este território torna-se parte da Dar al-Islam, ou seja, terra sagrada muçulmana. Para sempre.


* Artigo traduzido por mim, link original aqui: Muslim Brotherhood Overruns National Cathedral in DC

Via: http://dcvcorp.com.br/

Nenhum comentário