Últimas

Facebook impulsionou comparecimento eleitoral via experimento psicológico sem o conhecimento dos usuários



Se isso foi nos EUA, imagine no Brasil!

O Facebook manipulou os feeds de notícias de quase 2 milhões de usuários norte-americanos durante a eleição presidencial de 2012 sem lhes informar. A manipulação levou a um aumento de 3 por cento no número de eleitores, de acordo com os dados da própria cientista da empresa.

Em uma revelação impressionante, os três meses anteriores ao dia da eleição, em 2012, o Facebook providenciou o "ajuste" do feed de 1,9 milhões de norte-americanos para compartilhar posts sérios de seus amigos em vez de posts pessoais habituais. O efeito foi mais sentido pelos usuários ocasionais do Facebook que relataram em uma pesquisa que prestaram mais atenção no governo por causa de vários posts no feed de notícias de seus amigos. O Facebook não informou aos usuários sobre este experimento psicológico, mas aumentou o número de eleitores em 3 por cento.

O experimento foi compartilhado pela primeira vez com o público em duas palestras proferidas pela cientista de dados do Facebook, Lada Adamic, no outono de 2012, e mais detalhes foram divulgados recentemente pelo site Mother Jones. Nessas conversas, Adamic, disse a um colega do Facebook, Solomon Messing, que "ajustou" os feeds. Depois, Messing examinou o grupo e descobriu que o número de eleitores e o engajamento político cresceu de 64 por cento de auto-declarados para mais de 67 por cento.

Michael Buckley, vice-presidente de comunicação global de negócios do Facebook, disse que o estudo de Messing foi um teste "de produto" destinado a ver como os usuários reagem aos feeds de notícias que eram mais proeminentes.

"Este foi, literalmente, alguns dos primeiros aprendizados que tivemos sobre as notícias", disse Buckley ao site Mother Jones. "Agora, nós literalmente mudamos o Feed de Notícias, para reduzir o spam e aumentar a qualidade do conteúdo."

Buckley disse que o público não receberá respostas completas sobre esse experimento até 2015, quando se espera que os trabalhos acadêmicos possam ser publicados.

Não é a primeira vez que o Facebook foi exposto por conduzir experimentos psicológicos sobre seus usuários sem o conhecimento deles. Em junho, foi revelado que o Facebook tentou manipular as emoções dos usuários quando brincou com os sentimentos de 689.003 usuários do Facebook de língua inglesa, selecionados ao acaso, alterando o conteúdo dos seus feeds de notícias. Durante o período de uma semana em janeiro de 2012, os pesquisadores realizaram dois experimentos paralelos, reduzindo o número de atualizações positivas ou negativas no feed de notícias de cada usuário.

"Estes resultados sugerem que as emoções expressadas pelos amigos, através das redes sociais online, influenciam nossos próprios estados de espírito, constituindo ao nosso conhecimento a primeira evidência experimental de contágio emocional em larga escala através das redes sociais e fornecendo suporte para as alegações anteriormente contestadas de que as emoções se espalham por via de contágio através da rede", de acordo com um artigo publicado na edição de junho no jornal Proceedings of the National Academy of Scientists (PNAS).

Os usuários do Facebook não foram notificados da experiência. No entanto, de acordo com os termos de serviço do Facebook (o qual cada pessoa concorda quando se registra na rede social), os dados do usuário podem ser usados "para operações internas, incluindo a resolução de problemas, análise de dados, testes, pesquisa e melhoria dos serviços." Os pesquisadores argumentam que a sua experiência foi consistente com a política de uso de dados do Facebook.

Estas experiências estão levantando as sobrancelhas sobre a manipulação dos eleitores, bem como a possibilidade de que grandes dados possam, eventualmente, ser usados para "mecanizar o público", sem o conhecimento deles, de acordo com o sociólogo Zeynep Tufekci.

"No mínimo, esse ambiente favorece os titulares que já têm dados valiosos, e favorece os candidatos enraizados e endinheirados dentro dos partidos, bem como os ricos dados entre os partidos existentes. As tendências são claras. A venda aos políticos - como se fossem "produtos" - vai se tornar mais ampla e melhorada, e mais cara", disse Tufekci em uma notícias sobre o artigo.

"Nesta publicidade, não é uma completa coincidência que o "principal cientista de dados" da campanha de Obama de 2012 foi previamente contratado por um supermercado para 'maximizar a eficiência das promoções de vendas'. E, embora a vantagem de dados esteja retida, por enquanto, pelo Partido Democrata nos Estados Unidos, ela provavelmente vai estar disponível para o maior arrematador em campanhas futuras."

Fontes:
- Infowars: Facebook boosted US election turnout via psychology experiment, company reveals
- PNAS: Experimental evidence of massive-scale emotional contagion through social networks
- Russia Today: Facebook boosted US election turnout via psychology experiment, company reveals
Via: http://www.anovaordemmundial.com

Um comentário

Gambito do Rei rEcUsAdO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.