Últimas

''Alunx'': Promovendo a Ideologia de Gênero, professor substitui letras 'a' e 'o' por 'x' no final das palavras



Doutrinação descarada no Colégio Pedro II, que até coletivo LGBT já tem.

É a novilíngua à serviço da agenda gay marxista. Tudo isso promovido pelos globalistas...

Sempre quando é criada uma novilíngua, uma adequação da gramática, do idioma, em prol de interesses de grupos, pessoas ou governos, isso caracteriza como ditadura (como no livro "1984" de George Orwell), e neste episódio, uma ditadura ideológica.

Consta na publicação: "Nossos parabéns ao professor Alex do campi são cristóvão pela iniciativa! Agradecemos muito por esse pequeno x no final da palavra que ajuda a eliminar o machismo e o sexismo da nossa educação."

E é exatamente esta mudança ridícula que está sendo discutido entre os gays... Confira este texto retirado de um site sobre ideologia de gênero:
---

Recentemente, observamos uma onda, principalmente em blogs, de uma mudança lingüística nas estruturas das palavras que exprimem uma posição de gênero feminino/masculino nas frases. Mas que problemas essa transformação gramatical pode ocasionar? Ela surte um efeito que realmente abala os sistemas de sexo/gênero? Assim, questionamos nesse texto a legitimidade nessa empreitada em prejudicar as marcas de gênero nas palavras e, consequentemente, frases.


Como pronunciar os resíduos linguísticos provocados por essa "gramática da neutralidade"?

Com o pressuposto de dar neutralidade sobre uma posição de um gênero aos textos, o uso de “@” e “x” são usados, assim, por exemplo, a frase “todos devem ser contemplados pelo direito a igualdade” é rescrita como “tod@s devem ser contemplado@s pelo direito a igualdade”/“todxs devem ser contempladoxs pelo direito a igualdade”. O uso pode causar uma mudança gramatical, alcançado, em um primeiro instante, a neutralidade pretendida, isto é, do ponto de vista estético da frase, da escrita, mas a leitura se torna impossível. Além disso, em frases como “seus professor@s/professorxs”, a concordância entre “seus” e “professores” parece inquebrável, logo, pelo primeiro momento, a neutralidade gramatical não é possível nesse caso, uma vez que “seus” denota já o gênero masculino na frase e, supondo, que pelo contrário a frase fosse “suas professor@s/professorxs”, o mesmo acontece, dado que “suas” denota uma posição de gênero masculino. “Seus” e “suas” se tornam, portanto, impossíveis de serem reescritos (até o momento), nessa nova forma de tentar neutralizar as frases e mesmo que “seu(s)/sua(s) e meu(s)/minha(s)” fossem rescritos como “s@u(s)/su@(s) – m@u(s)/minh@s” ou empregando o “x”, “seu, seus, meu, minhas” não desfazem as marcas de gênero. Já na frase “el@s/elxs são pesquisador@s/pesquisadorxs dos estudos de gênero”, o efeito gramatical de escrita surte o efeito pretendido, mas já na frase “meu companheir@ é machista”, implica na dedução de que estamos falando de um companheiro, no sentido do gênero linguístico masculino, uma vez que “meu”, e também caso fosse o emprego de “minha”, fogem da neutralidade.


Para casos como os pronomes "meu(s)/seu(s) - minha(s)/sua(s), mesmo que fosse pensada uma substituição por "@" ou "x", ainda essa substituição não desfaz as marcas de gênero de substantivos que fazem concordância com eles, uma vez que rescrita nessa nova proposta, os símbolos não ocultam a posição masculina/feminina desses pronomes e, portanto, da frase.

As discussões em torno do uso desses símbolos são bastante divergentes, mas, do ponto de vista de Beatriz Preciado em Manifiesto contra-sexual: prácticas de subversivas de identidad sexual (2002), mesmo que essas novas propostas consigam, esteticamente, erradicar marcas de gênero em substantivos, adjetivos, pronomes, desfazer os traços em que se torna possível reinscrever posições masculinas e femininas, a questão não é privilegiar uma marca linguística, nesse caso neutra, para provocar uma transformação social. Do ponto de vista contra-sexual, quando a autora afirma que o corpo é um texto socialmente construído e o sistema de sexo/gênero é um sistema de escritura, não está propondo intervenções que se reduziriam ao campo das variações da linguagem, para ela, mesmo que seja desempenhada uma escritura da neutralidade com pronomes neutros e demais variações, o que temos que colocar em evidência e abalar são as tecnologias da escritura do sexo e gênero, bem como suas instituições.

Preciado (2002, p. 23-24, tradução minha) escreve: “Não se trata de substituir alguns termos por outros. Não se trata tampouco de desfazer das marcas de gênero ou das referencias a heterossexualidade, mas sim de modificar as posições de enunciação”. Dessa forma, por exemplo, quando pensamos no próprio termo “queer” que antes era pronunciado para indicar pessoas que rompiam com normas de gênero, sexualidade, um insulto de um “normal” em relação a um “perverso”, os corpos abjetos, o termo é descontextualizado e se torna campo de luta dos próprios “queers” que conseguem inverter a enunciação hegemônica. Também, mais significativo do que esta troca gramatical, seria, segundo a autora, a percepção de frases performativas como “é um menino/é uma menina” pronunciada no nascimento ou através da ecografia, que já forma tratadas em outro texto, tratando de evocações performativas, também o “sim, aceito” na hora do matrimônio; para Preciado, essas evocações performativas tratam-se de fragmentos linguísticos que estão historicamente carregados do poder de investir um corpo como masculino ou feminino, bem como segregar corpos que ameaçam a coerência da lógica de sexo/gênero, catalogá-los, chegando ao ponto de submetê-los a processos cirúrgicos da “cosmética sexual”.

Enfim, em todo caso, mesmo que uma teoria da pronúncia seja colocada em marcha para a leitura dos “@” e “x” (e similares), temos que questionar que se por um lado eles reduzem as palavras a resíduos linguísticos, por outro lado, o que temos que atacar realmente são as tecnologias da escritura do sexo e do gênero, as instituições que fazem essas escrituras possíveis, bem como o corpo que é socialmente escrito, o arquivo orgânico da historia da humanidade de produção e reprodução sexual.

Fontes: https://www.facebook.com/imprensachapabranca e Site Ensaios de Genero

Um comentário

Mariano conta um... disse...

O inglês é gay desde a sua criação, então!