Últimas

'Crime de Opinião'? PSOL e Jean Wyllys vão entrar com ação na Justiça contra Levy Fidelix por declarações 'homofóbicas'


Mais uma vez o vitimismo heterofóbico dos movimentos gays entra em ação para criminalizar e amordaçar uma opinião, como a do candidato Levy Fidelix, que traduz nada mais que a verdade!

Fidelix fez o que muito candidato "evangélico", "cristão", se omite em fazer em troca de votos...

O inciso II e IV do do Artigo 5º da CF é bem claro:

II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei;

IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato.

PT, PSOL, PCO, PSTU e demais partidos socialistas, querem impor o CRIME DE OPINIÃO e de CONSCIÊNCIA, da mesma forma que segundo eles, o regime militar fazia.

---
O deputado federal e candidato à reeleição Jean Wyllys (PSOL) confirmou, em entrevista ao R7 nesta segunda-feira (29), que ele e o seu partido vão entrar com duas ações na Justiça contra o candidato à Presidência Levy Fidelix (PRTB) por "declarações homofóbicas" dadas durante debate na TV Record transmitido pelo R7, neste domingo (29).

Ao ser questionado pela candidata à Presidência Luciana Genro (PSOL) sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo, Fidelix afirmou ser contra a união homoafetiva e disse que “dois iguais não fazem filho”.

— Tenho 62 anos e, pelo o que eu vi na vida, dois iguais não fazem filho. Digo mais. Desculpe, mas aparelho excretor não reproduz. É feio dizer isso. (...) Como é que pode um pai de família, um avô, ficar aqui escorado porque tem medo de perder voto? Prefiro não ter esses votos, mas ser um pai, um avô que tem vergonha na cara, que instrua seu filho, que instrua seu neto e vá acabar com essa historinha. (...) Eu, como presidente da República, não vou estimular. Se está na lei, que fique como está, mas jamais estimular a união homoafetiva.

O nanico do PRTB insinuou ainda que o casamento gay pode reduzir a população brasileira e que homossexuais têm “problemas” que deveriam ser tratados como patologias.

— O Brasil tem 200 milhões de habitantes, daqui a pouquinho vai reduzir para 100 [milhões]. Vai para a avenida Paulista, anda lá e vê. É feio o negócio. Gente, vamos ter coragem, nós somos maioria, vamos enfrentar essa minoria.


Após o debate, o deputado Jean Wyllys já havia publicado um texto em uma rede social condenando a declarações de Fidelix. Nesta segunda, em entrevista ao R7, Wyllys explicou que serão apresentadas duas representações por dano coletivo.

Uma será movida pelo PSOL e será protocolada no TSE pedindo a exclusão imediata do candidato nos próximos debates entre os presidenciáveis e aplicação de multa. A outra ação será feita pelo próprio deputado no MPF (Ministério Público Federal) e solicitará retração pública de Fidelix.

— A ideia é entrar com as ações ainda hoje. A melhor medida para combater a esse tipo de homofobia é a socioeducativa. Uma declaração de equívoco e um pedido de desculpas é muito mais pedagógico nestes casos.

Para Wyllys, a declaração do candidato à Presidência incitou ódio aos homossexuais e pode estimular a violência contra a população LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros). O deputado também criticou a postura dos demais participantes do debate e pediu mais engajamento na luta contra à discriminação.

— Eu achei lamentável o riso da plateia e os silêncio dos demais candidatos. As pessoas da plateia riram e os demais silenciaram. Eu não consegui dormir com uma declaração dessas, de um candidato à Presidência da República.

Notícia R7

Um comentário

Paulo Carneiro disse...

Levy Fidelix revelou o gayzismo e denunciou a organização criminosa do Foro de São Paulo que vocês comunistas e gayzistas querem abafar! A política gayzista que fez o judiciário do Estado de São Paulo disponibilizar (quatro defensores públicos para defender dois estupradores) de uma criança de cinco anos em 2012. A política gayzista que afirma que liberdade de expressão é introduzir imagem religiosa no ânus na JMJ do Rio e criminaliza a opinião de um candidato sobre o homossexualismo. Essa política gayzista que os ativistas gays apedrejam e agridem um grupo católico em Curitiba em janeiro de 2013; a política gayzista do MP-RN, querendo processar uma editora católica por revelar que a OMS divulgou aumento nos casos de Aids entre os homossexuais; a política gayzista que faz indução de consumo de drogas na Parada LGBT de São Paulo; a política gayzista que faz apologia a pedofilia e sexo entre crianças no 9º seminário LGBT infantil em 15 de maio de 2012 no Congresso Nacional na Comissão Nacional dos Direitos Humanos, o mesmo seminário que um dos palestrantes afirma querer pegar em armas contra os cristãos. A abominável política gayzista que introduz cartilhas pornográficas para as nossas crianças e quer doutrinar sua ideologia nas escolas infantis ao Ensino Médio.

A política gayzista que o ex-BBB e agora deputado federal dos LGBT assinou um projeto de lei que obriga ensino sobre islamismo nas escolas públicas em detrimento as outras culturas religiosas, cultura islâmica que assassina homossexuais, oprime mulheres e persegue opositores.

São fatos que a imprensa nacional, que parece ter alguns redatores e jornalistas gayzistas, a nunca revelar para a população brasileira. Mas essa política gayzista está sendo revelada e suas mentiras e intolerâncias vão acabar com as bênçãos de Deus, que os gayzistas e os comunistas do Foro de São Paulo tanto odeia, nesta eleição de 2014. Levy Fidelix, conquistou o meu voto!