Japoneses ameaçados por peixe radioativo - LIBERTAR.in - Ministério CASA DE YISRAEL - Igreja da Rua

News

20 de jan. de 2014

Japoneses ameaçados por peixe radioativo

Japoneses ameaçados por peixe radioativo
Qual é o nível de contaminação radioativa que podemos encontrar nos alimentos consumidos pelos japoneses depois das fugas da usina nuclear de Fukushima 1? Mais que suficiente. Um peixe apanhado perto da usina apresentava níveis de césio radioativo 124 vezes superior ao permitido.

Um canal televisivo japonês mostrou há dias uma lula gigante que foi apanhada por um pescador local.


A audiência ainda não tinha digerido a impressão provocada pelo “mutante de Fukushima”, como ela já foi batizada, já o jornal Asahi oferece um novo monstrinho sob a forma de um perigoso prato típico nacional – uma choupa (Spondyliosoma cantharus). Afinal o nível da contaminação da choupa era simplesmente monstruoso. Também é verdade que o Asahi ressalva que apenas um dos 37 peixes capturados apresentava esse nível. Outros dois peixes desse grupo apresentavam 4 e 2 vezes mais contaminação, os restantes tinham níveis normais. As amostras foram recolhidas pela Agência de Investigação das Pescas no delta de um rio a 40 km para sul da malograda usina. Isso faz parte de estudos mais vastos que irão verificar os níveis de contaminantes perigosos na cadeia alimentar humana provenientes de Fukushima.



Os poluentes radioativos existentes nos produtos alimentares se acumulam no organismo humano e provocam doenças que o matam lentamente. Entretanto, a usina de Fukushima tem fugas de água radioativa para o mar. Primeiro a radiação satura o primeiro elo da cadeia alimentar – os organismos marinhos unicelulares e as plantas. O vice-presidente do comitê de recursos naturais e ambiente da Duma de Estado Maxim Shingarkin afirma:

“De uma dezena de células de alga é sintetizada, falando de uma forma esquemática, uma célula de molusco. Uma dezena de células de molusco, que tenham acumulado radioatividade a partir de algas, dão origem a uma célula de peixe. O homem consome o peixe, ou seja, consome a radioatividade concentrada em toneladas de água. Portanto, ao avançarmos na cadeia alimentar a concentração de contaminantes aumenta.”

A pesca e a comercialização da choupa junto à costa das províncias de Fukushima e de Miyagi são proibidas. Mas o sistema alimentar japonês não pode ser alterado por uma assinatura. Eles querem comer o seu peixe favorito que consomem há séculos. As notícias, como o artigo do jornal Asahi, ajudam as autoridades a alertar o povo. Os apelos e proibições não irão ajudar muito, continua o perito:

“As autoridades do país têm de recorrer aos métodos mais refinados para alterar os hábitos dos seus concidadãos, ao mesmo tempo evitando uma explosão social. Por isso este tipo de publicações são apenas um mecanismo normal para governar uma nação que se encontra à beira de uma catástrofe radioativa.”

Se esses números foram publicados, isso quer dizer que é apenas a ponta do iceberg. O mais provável é Tóquio ter apresentado números mais baixos que os reais ao longo dos três anos que decorreram depois de Fukushima. A realidade é bastante pior, supõe o conselheiro da Academia das Ciências da Rússia, ambientalista e professor universitário Alexei Yablokov:

“A questão é: por que é que apenas um peixe em quarenta apresenta essa quantidade enorme de radionuclídeos? Como nós não conhecemos as vias de difusão dessas substâncias, podemos supor que existem muitos peixes com um nível muito perigoso de contaminação. Isso representa um problema e a fonte da contaminação ainda não foi detectada.”

Se prosseguirmos na mesma lógica, teremos um quadro muito negativo das consequências de Fukushima. Dentro de alguns anos, uma parte considerável do pescado japonês estará contaminada pela radiação. O Oceano Pacífico será percorrido por baleias radioativas que se encontram no topo da pirâmide alimentar marinha. Já na nova década deveremos esperar um surto de doenças oncológicas entre os japoneses.

Os peritos brincam que aquela choupa contaminada, que foi noticiada pelo Asahi, pode ser comida uma vez. Isso não seria mortal para o ser humano. O principal é não consumir esse peixe de forma continuada.

Fonte: http://portuguese.ruvr.ru/

Nenhum comentário:

Últimos mais vistos

Mais vistos em 10 anos de site